Crédito, Miss Japan Association via REUTERS

Legenda da foto,

Carolina Shiino (no centro), recém-coroada Miss Japão, posa acompanhada por algumas de suas concorrentes

  • Author, Shaimaa Khalil
  • Role, Correspondente da BBC News em Tóquio

“Houve barreiras raciais, e tem sido desafiador ser aceita como japonesa.”

Foi o que uma Carolina Shiino chorosa disse, num japonês impecável, logo após ser coroada Miss Japão 2024 na segunda-feira (22/01).

A modelo de 26 anos nasceu na Ucrânia, mas mudou-se para o Japão aos cinco anos de idade e cresceu em Nagoya.

Ela virou a primeira cidadã japonesa naturalizada a vencer o concurso, mas sua vitória reacendeu um debate sobre o que significa ser japonesa.

Enquanto alguns consideraram sua vitória como um “sinal dos tempos”, outros disseram que ela não se parece com o que deveria ser uma “Miss Japão”.

O conquista de Carolina acontece quase 10 anos depois de Ariana Miyamoto tornar-se a primeira mulher birracial a ser coroada Miss Japão em 2015.

Na época, a coroação de Miyamoto, filha de mãe japonesa e pai afro-americano, acendeu um debate sobre se uma pessoa mestiça deveria ser elegível.

Crédito, Getty Images

Legenda da foto,

Em 2015, Ariana Miyamoto foi a primeira mulher mestiça a ser coroada Miss Japão

Desta vez, foi o fato de Carolina não ter parentesco japonês que despertou os comentários de alguns nas redes sociais.

“Essa pessoa que foi escolhida como Miss Japão não tem nem mistura com japonês, é 100% ucraniana pura. Entendo que ela seja linda, mas isso é o ‘Miss Japão’”, diz um post na rede X (antigo Twitter).

“Se ela fosse metade [japonesa], com certeza não teria problema. Mas ela é etnicamente 0% japonesa e nem nasceu no Japão”, lê-se em outro post.

Outros disseram que sua vitória enviava uma “mensagem errada” para o país.

“Acho que os japoneses naturalmente recebem uma mensagem errada quando uma pessoa de aparência europeia é considerada a japonesa mais bonita.”

Outros questionaram se coroar a modelo nascida na Ucrânia teria sido uma decisão política.

“Se ela fosse russa, não teria vencido. Sem chance. Obviamente, o critério agora é uma decisão política. Que dia triste para o Japão”, outra pessoa disse.

Crédito, Miss Japan Association via REUTERS

Legenda da foto,

‘Ser reconhecida como japonesa nessa competição me enche de gratidão’, declarou Carolina Shiino

Ai Wada, organizadora do concurso de beleza Miss Japão Grand Prix, disse à BBC que a escolha de Carolina pelos juízes foi feita com “total confiança”.

“Ela fala e escreve num lindo e educado japonês”, disse a Wada. “Ela é mais japonesa do que nós.”

No início do ano passado, quando Carolina ganhou a nacionalidade japonesa, ela postou a novidade no Instagram e disse que “pode não parecer japonesa”, mas sua mente “tornou-se japonesa” porque cresceu no Japão.

Ao receber o troféu de Miss Japão 2024, ela disse que ganhar o título era “um sonho”.

“Ser reconhecida como japonesa nessa competição me enche de gratidão.”

Com colaboração de Chie Kobayashi