Festival Fervo seleciona trabalhos para sua segunda edição, agendada para fevereiro

Com programação híbrida, 4º Janeiro Sem Censura começa nesta quinta-feira (27)
janeiro 25, 2022
Inscrições para a eleição do Conselho de Preservação seguem até o dia 28 de janeiro
janeiro 25, 2022

Postado em:

Lei Aldir Blanc

Estão abertas até o próximo dia 31 janeiro (segunda-feira) as inscrições para a segunda edição do Festival Fervo, evento que reúne obras e performances de artistas que se identifiquem como integrantes da comunidade LGBTQIA e sejam residentes no Sertão do São Francisco. A iniciativa conta com os recursos da Lei Aldir Blanc em Pernambuco.

Farão parte da programação do Festival, que vai acontecer nos dias 11 e 12 de fevereiro, 04 apresentações musicais e seis videoartes, selecionadas conforme orientações previstas na convocatória disponível aqui.

Para participar, artistas LGBTQIA devem se inscrever através deste formulário on-line, que estará disponível até às 23h59 do dia 31 de janeiro de 2022. As inscrições são gratuitas e as propostas selecionadas receberão uma ajuda de custo no valor de R$ 3 mil para apresentações musicais e R$ 1 mil para videoartes.

O Festival Fervo se propõe a discutir questões de gênero e identidade através da arte. “O Fervo veio pra ficar e ser um espaço de resistência de artistas que trazem discursos que ecoam. A primeira edição, mesmo com menos recursos, foi muito potente e reverberou”, lembra Adriano Alves, coordenador do projeto. Ele informa que os trabalhos apresentados na primeira edição foram posteriormente exibidos na TVE Bahia, então “esperamos que esse alcance continue aumentando e a gente consiga ampliar esse espaço”, completa Adriano.

Desta vez, o evento será realizado em dois dias e deve contar com maior representatividade. Para Adriano, a Lei Aldir Blanc possibilita “valorizar os artistas locais, celebrando a possibilidade de continuar produzindo arte e colocando no palco temas da comunidade LGBTQIA ”. É importante destacar que o conteúdo das produções a serem inscritas devem se voltar para a visibilidade LGBTQIA , considerando o protagonismo, empoderamento e possibilidades de debater a arte produzida pela referida comunidade.

Dúvidas e outros esclarecimentos podem ser enviados para o e-mail da produção do festival: [email protected].

Compartilhe

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *