Adolescentes descobrem diamante

Moda Nordeste: 11ª edição atrai marcas
janeiro 15, 2024
Sileno apoia sucessor em Primavera
janeiro 15, 2024

A Desilusão do “Diamante da Paz”: O Destino Amargo de Dois Jovens Garimpeiros

Em 2017, o mundo voltou sua atenção para Serra Leoa com a descoberta do “diamante da paz”, uma promessa de esperança em uma nação associada historicamente a derramamento de sangue e miséria. No entanto, por trás do frenesi midiático, a realidade amarga de dois jovens garimpeiros, Komba Johnbull e Andrew Saffea, conta uma história de desilusão.

Ambos adolescentes na época da descoberta, eles eram os mais jovens de um grupo de cinco escavadores que sonhavam em melhorar suas vidas ao encontrar o precioso diamante. Seis anos depois, a realidade divergiu drasticamente de seus sonhos.

Saffea, um aluno excepcional, foi forçado a abandonar a escola devido à pobreza, enquanto a família de Johnbull foi devastada pela guerra civil. Juntos, eles se uniram a um grupo de escavadores patrocinados por um pastor local, com a esperança de poupar dinheiro para retornar à escola.

O árduo trabalho cotidiano envolvia horas na fazenda e na mina, com a promessa de uma parte do lucro se um diamante fosse encontrado. O grande dia chegou em março de 2017, quando Johnbull avistou uma pedra brilhante no rio. O diamante de 709 quilates foi vendido em leilão por US$ 6,5 milhões.

No entanto, a distribuição do dinheiro trouxe desilusão. Cada escavador recebeu apenas US$ 80 mil, uma fração mínima do valor total. Os sonhos de estudar no exterior e melhorar de vida foram frustrados por dificuldades com vistos e más decisões financeiras.

Hoje, Saffea trabalha em condições precárias em um estábulo, enquanto Johnbull, arrependido das escolhas do passado, ganha a vida fazendo esquadrias de alumínio. Ambos lamentam a falta de reconhecimento pela descoberta, eclipsados pelas reportagens centradas no pastor que os patrocinou.

A história de Johnbull e Saffea destaca não apenas a dura realidade por trás das promessas reluzentes de diamantes, mas também a necessidade de uma abordagem mais justa e equitativa na distribuição dos benefícios gerados por tais descobertas.

Fotos: Divulgação

Compartilhe

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *